FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Brasil egoísta - 28/02/18


A Cidade da Luz completou ontem 40 anos de existência, e vinha me perguntando o que estaria havendo, para, ao longo desses anos, perceber que as pessoas estão menos caridosas, menos disponíveis a doações, a ajudar o próximo? Perguntava-me se não era por conta de toda uma indiferença dos poderes públicos às instituições filantrópicas.


A própria Cidade da Luz não tem convênio algum com eles, por dificuldades e falta de interesse. Essa é a verdade. Por outro lado, questionava se não seria em razão da cultura de corrupção que se estabeleceu sistemicamente no Brasil, e as pessoas ficaram com receio de doar, de ajudar – não justificaria muito, pois pode se levantar fácil quem é sério ou não.


Assim, vi mais uma instituição gritando, em matéria aqui em A TARDE, na última segunda-feira: o Ilê Aiyê anuncia fechamento de frentes de trabalho social. Muito lamentável. As pessoas se empolgam, estimulam, mas não ajudam, esta é a realidade, pontuou o seu dirigente.


É preciso quebrar o mito de que o povo brasileiro é generoso. Já pode ter sido, mas nos dias atuais houve uma mudança comportamental severa. É o que indica o CAF World Giving Index 2016, índice mundial de doação, que é um estudo líder sobre generosidade global, que fornece uma imagem do comportamento de caridade em todo o mundo. O índice verifica a porcentagem média de pessoas em cada país que doam dinheiro, voluntariam ou ajudam um estranho. Na última avaliação foram pesquisados 140 países, representando cerca de 96% da população mundial.


O Brasil ficou na posição 79, atrás de países como Kosovo, Chile, Peru, Colômbia, Paraguai, Argentina, Irã, Iraque, Somália, Etiópia e, acreditem, até da Síria. Muito triste.


Infelizmente, repito, o povo brasileiro é um dos que menos contribuem com doações individuais no mundo. As instituições filantrópicas vivem à míngua e a frase mais ouvida é “não dou dinheiro para essas instituições porque não confio nelas e em seus dirigentes”. O desculpismo surge em uma espécie de autoengano que justifica a falta de solidariedade.


Os poderes públicos querem concentrar as suas ações, que não guardam a capilaridade das instituições filantrópicas, apenas por um motivo: fazer com que lhes devam favor. Não se vê o interesse social.


No Brasil, é raro um rico empresário fazer doações – nem mesmo depois de morto – a qualquer instituição social. Nesse ponto, os Estados Unidos dão exemplo. Somente Bill Gates e Warren Buffett doaram US$ 70 bilhões para uma fundação social. Quando Bill Gates fez um cheque de US$ 1 bilhão somente para o programa de combate à malária na África, mas por aqui os bilhões... você já sabe. Fato é que vemos por aí milhões em desvios todos os dias sendo noticiados.


José Medrado

Mestre em família pela Ucsal e fundador da Cidade da Luz

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Mergulho nas profundezas de si mesmo - Psicografada em 25/10/18

O encontro consigo mesmo é uma das maiores e mais fascinantes aventuras! Co...
Leia Mais

Gentileza sem cor - 26/11/18

Marisa Montes em sua música, Gentileza, inicia dizendo que “Apagaram tudo//...
Leia Mais

Outrora, ser Papa era uma satisfação, hoje, pode ser uma aflição!

No passado, ser papa era bem mais fácil do que hoje. Isso porque as pessoas...
Leia Mais

Massa de manobra - 04/06/18

Nesta manhã de segunda-feira (4), lendo aqui no BNews a manifestação de Líd...
Leia Mais