FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO

Espiritismo para crianças



Ana Elizabeth Diniz

Especial para O TEMPO


Uma casa misteriosa onde um grupo de pessoas se reúne sempre à noite. Esse fato corriqueiro despertou a curiosidade de três amigos, Léo, Tuba e Melissa que não sossegaram enquanto não desvendaram aquele enigma em uma aventura que vai expondo a obra de Allan Kardec, o codificador da doutrina espírita.


O enredo faz parte do livro “O Mistério da Casa”, de Cleber Galhardi, formado em história, trabalhador espírita há mais de 20 anos e um dos administradores da Boa Nova Editora. O autor já escreveu também “Eu sou assim” e “Revolução na Colmeia”, todos infantis e com a temática espírita.

“Escrever para crianças e adolescentes é um enorme desafio, pois hoje elas estão conectadas ao mundo virtual e têm informações, praticamente, sobre qualquer tema. Possuem um senso crítico apurado e dificilmente aceitam uma mensagem sem questioná-la. É preciso escrever sem desrespeitar a faixa etária e sem subestimar a capacidade das crianças e dos adolescentes”, diz ele sobre a empreitada.

A proposta do autor é passar para as crianças a mensagem de que “cada um de nós é um projeto especial criado por Deus. Todos têm virtudes e dificuldades. Não precisamos nos considerar superior nem inferior a ninguém. Basta sermos o que nossa intimidade nos impõe”.


Em “O Mistério da Casa”, Cleber aborda os princípios básicos do espiritismo. “Falo de temas como reencarnação, existência de Deus e da alma, comunicabilidade com os espíritos, entre outros. Utilizo o romance e um mistério para tratar os temas de forma agradável e para prender a atenção dos jovens leitores”, diz.


Pelo visto, a fórmula deu certo. O retorno delas é o melhor possível. São carismáticas e admiram o livro. Um caso que me marcou foi o de uma menina de 9 anos que era mais alta que os amigos de sala. Devido às brincadeiras excessivas dos companheiros ela não queria mais ir à escola. Após a leitura do livro “Eu sou assim!”, em diálogo com os pais, ela percebeu que aquele não era um defeito, e sim o seu jeito especial de ser. Eu estava em uma feira de livros na cidade, e ela fez os pais irem lá para pedir uma dedicatória no livro. Eles se emocionaram com o fato”, diz Cleber.

José Medrado - Editorial

Cristina Barude - Psicografia

Eventos

Auxílio Espírita

Colunistas

Artigos relacionados

Mergulho nas profundezas de si mesmo - Psicografada em 25/10/18

O encontro consigo mesmo é uma das maiores e mais fascinantes aventuras! Co...
Leia Mais

Gentileza sem cor - 26/11/18

Marisa Montes em sua música, Gentileza, inicia dizendo que “Apagaram tudo//...
Leia Mais

Outrora, ser Papa era uma satisfação, hoje, pode ser uma aflição!

No passado, ser papa era bem mais fácil do que hoje. Isso porque as pessoas...
Leia Mais

Massa de manobra - 04/06/18

Nesta manhã de segunda-feira (4), lendo aqui no BNews a manifestação de Líd...
Leia Mais